(15) 3413-6325 / (15) 3413-6312 | contato@qnoticia.com.br
Blog

Homens são mais afetados por doenças

Os homens brasileiros vivem, em média, sete anos menos do que as mulheres, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). De cada três mortes de pessoas adultas no país, duas são de homens. Eles igualmente são mais acometidos por doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão arterial elevada.

Conforme a última pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2019), mais de 57% dos homens estão acima do peso; 18% obesos; 7,8% sofrem de diabetes e 26,3% de hipertensão. O Dia Nacional do Homem, lembrado hoje, visa alertar para esse quadro e conscientizar sobre a importância da população masculina cuidar da saúde.

A mortalidade e a incidência de problemas são maiores nos homens porque, ao contrário das mulheres, eles tendem a não se prevenir e a procurar menos atendimento médico, afirma o médico urologista Daniel Elpídio Rodrigues da Silva, que atende no Hospital Evangélico de Sorocaba. Segundo o especialista, o principal motivo é a insegurança e o receio de descobrir doenças. Além disso, eles não consideram qualquer possibilidade de adoecer. Por isso, não se cuidam e não buscam os serviços de saúde. Ainda, quando se consultam e recebem o diagnóstico de alguma patologia, não seguem o tratamento indicado.

Outros fatores, como maus hábitos de vida, também são responsáveis pela maior quantidade de adoecimento e mortes na população masculina. De acordo com o estudo Vigitel, 12,7% deles fumam, 27% ingerem bebidas alcóolicas de maneira abusiva e 12,9% dirigem após beber. Esses costumes favorecem o aparecimento de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, bem como elevam o número de mortes por acidente de trânsito. Conforme o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SMI), do Ministério da Saúde, causas externas, a exemplo de traumas e lesões, são a primeira razão de óbitos entre homens. Na sequência, aparecem doenças do aparelho circulatório, neoplasias (cânceres), problemas do aparelho digestivo e doenças infecciosas e parasitárias.

As patologias, crônicas ou não, estão diretamente relacionadas à alimentação inadequada e a falta de exercícios físicos regulares, álcool e outras drogas, pontua o médico. Já, os traumas têm ligação com a maior exposição a acidentes de trânsito e de trabalho, além do envolvimento mais frequente em episódios de violência.

Prevenção é a melhor saída

Para mudar esse quadro, o médico aponta como umas das medidas mais eficazes o incentivo à população masculina a realizar acompanhamento médico frequente. Conforme o urologista, a preservação da saúde e a prevenção a doenças devem começar antes mesmo do nascimento. “Por meio da medicina fetal, é possível avaliar a genética dos bebês em vida intrauterina e prevenir diversas doenças, com aconselhamento genético. Para os homens, a OMS recomenda exames preventivos anuais, a partir dos 40 anos. No caso de histórico familiar de doenças, a indicação é iniciar os check ups aos 35. Já, tabagistas, obesos ou acima do peso e com incidência de problemas familiares devem começar o acompanhamento aos 30 anos. Dos 50 anos em diante, todos devem passar por avaliações, pelo menos, duas vezes, por ano, indica a organização.

 

O principal exame a ser feito é o de próstata, para prevenir ou identificar precocemente o câncer. São feitos o toque retal e a avaliação do PSA (exame de sangue para medir os níveis de substâncias produzidas pela próstata). A análise deve começar aos 50 anos, mas, se houver histórico familiar, a partir dos 45. O mal é o segundo mais comum entre os homens. Nesse sentido, o autoexame testicular deve ser feito a partir dos 15. No banho, deve-se apalpar os testículos, para verificar possíveis anormalidades, como alterações no tamanho, forma ou dores.

A colonoscopia é igualmente essencial desde os 50, com intervalos de cinco anos. Ela detecta possíveis alterações no reto e intestino grosso. É eficaz na identificação de feridas, tumores malignos ou benignos e outras doenças intestinais. A partir dos 20, orienta-se, ainda, exames de sangue anuais para investigação completa e de urina, a fim de identificar problemas renais e diabetes, por exemplo. Já, aos 40, devem ser iniciados todos os exames cardiovasculares. São eles: aferição da pressão arterial, teste ergométrico, ecocardiograma, raio x do tórax e ultrassom do coração. Se houver suspeita de problema cardiovascular ou antecedentes familiares, o acompanhamento deve começar antes, frisa Daniel.

 

 

Terapia por Ondas de Choque promove alívio rápido de dores persistentes

  Tratamento envolve uso de moderno equipamento que entrega grandes doses de energia em pontos dolorosos do corpo, desencadeando os...

Leia Mais

Instituto de Oncologia de Sorocaba alerta para o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço

Estima-se que, pelo menos, 43 mil casos desse tipo de câncer surgiram no país, no último ano; desenvolvimento da doença...

Leia Mais

Câncer de cabeça e pescoço: um mal que pode ser evitado

Segundo estatísticas do Inca, a cada ano, surge uma média de 41 mil novos casos da doença no Brasil; contudo, grande parte...

Leia Mais