(15) 3413-6325 / (15) 3413-6312 | contato@qnoticia.com.br
Blog

Manguito rotador: lesões musculares são causas frequentes de dor no ombro

Médico ortopedista elenca principais razões dos danos articulares e detalha diagnóstico, tratamento e prevenção. Confira!

As articulações dos ombros são umas das mais importantes do corpo humano, afinal, os braços estão se movimentando o tempo todo, em caminhadas, durante a prática esportiva e nos afazeres do dia a dia. E, justamente por serem tão exigidas, estão muito expostas a lesões, como a do manguito rotador, uma das que mais acometem a articulação.

Dr. André Ursolino, médico ortopedista especialista em cirurgia do ombro do Centro Médico São José de Cerquilho (SP), detalha esse tipo de problema. “O manguito rotador é um conjunto de músculos presos ao ombro e ao braço, sendo os responsáveis por toda a movimentação do membro. Quaisquer quadros de dor nesses músculos podem ser considerados lesões, que podem variar desde uma inflamação até a ruptura total da estrutura”, conta.

As lesões do manguito rotador podem acontecer de diversas maneiras. “Podemos considerar como os principais fatores: o desgaste progressivo da articulação, irritação do ombro em razão de esporões no osso, dano ao tendão durante a realização de atividades físicas repetitivas, traumas, como uma queda ou acidente, dentre outros”, elenca o médico.

Os sintomas mais comuns são as dores e inchaços locais, que podem variar de intensidade leve a severa, com dificuldades de movimentar ou aumento da dor durante o mover do braço. “Ao sentir esses sinais, é preciso buscar atendimento de um médico ortopedista especialista em ombros, que irá examinar fisicamente a articulação e solicitar exames de imagem, como a ultrassonografia e a ressonância magnética, para que seja possível avaliar a extensão do possível dano articular”, detalha Dr. André.

Com a confirmação da lesão, é iniciado o tratamento que encontra na fisioterapia um dos principais aliados. “A fisioterapia é o principal método de tratamento das lesões no manguito rotador, pois os exercícios assistidos pelo profissional de reabilitação aliviam a musculatura, diminuem a dor e proporcionam fortalecimento, todos essenciais para uma boa recuperação. Medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos também podem ser utilizados na fase aguda da lesão, em que ocorre o desconforto mais intenso”, complementa o médico ortopedista.

Casos mais graves, como as lesões traumáticas, com rompimento de músculos e tendões, exigem intervenções mais profundas, a exemplo das cirurgias reconstrutoras. “As cirurgias são indispensáveis quando há rupturas graves na região, pois, assim, podemos reconstruir o ombro que, do contrário, corre sérios riscos de cicatrizar de maneira errada, com altas chances de sequelas, como a limitação nos movimentos, fraqueza naquele braço e dor constante”, analisa o especialista do Centro Médico São José.

A recuperação total ocorre em cerca de 4 a 6 meses após a cirurgia, desde que respeitadas todas as orientações médicas, como o uso de medicamentos e realização de fisioterapia. “Após a recuperação, é fundamental que a pessoa pratique atividades físicas e fortaleça a musculatura da região, a fim de prevenir novas lesões. Manter a musculatura forte também é muito importante para quem nunca machucou o ombro, pois previne o surgimento de problemas”, conclui Dr. André Ursolino.

O Centro Médico São José está localizado na Avenida Presidente Washington Luiz, 392, Centro, em Cerquilho. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (15) 3288-4848, pelo site: www.centromedicosaojose.com.br ou pelo Facebook: www.facebook.com/centromedicosaojose.

Terapia por Ondas de Choque promove alívio rápido de dores persistentes

  Tratamento envolve uso de moderno equipamento que entrega grandes doses de energia em pontos dolorosos do corpo, desencadeando os...

Leia Mais

Instituto de Oncologia de Sorocaba alerta para o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço

Estima-se que, pelo menos, 43 mil casos desse tipo de câncer surgiram no país, no último ano; desenvolvimento da doença...

Leia Mais

Câncer de cabeça e pescoço: um mal que pode ser evitado

Segundo estatísticas do Inca, a cada ano, surge uma média de 41 mil novos casos da doença no Brasil; contudo, grande parte...

Leia Mais