(15) 3413-6325 / (15) 3413-6312 | contato@qnoticia.com.br
Blog

Previdência privada é alternativa para complementar aposentadoria pública

  • Especialista em Direito Tributário explica que o contribuinte deve estar atento às taxas anuais cobradas pelas instituições financeiras, para não ter rendimento prejudicado.

Em meio às dúvidas quanto à Reforma Previdenciária, a população brasileira investe, cada vez mais, na previdência privada. Dados levantados pela Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) apontam que 60% das pessoas acham necessário ter uma previdência complementar, a fim de se preparar para a aposentadoria. 

De acordo com o advogado especialista em Direito Tributário Dr. Rodrigo Bley, do escritório Ogusuku&Bley Advogados, em Sorocaba (SP), o plano privado é um fundo de investimento administrado por uma agência bancária, ou por um corretor de seguros, que cobra juros anuais sobre os rendimentos. “A previdência privada é uma alternativa para complementar a aposentadoria pública e, também, pode ser utilizada para resgatar o dinheiro investido em longo prazo”, esclarece.

Contudo, Dr. Bley adverte que é preciso estar atento ao valor dos impostos recolhidos pelas instituições financeiras, que nem sempre são atrativos e prejudicam a rentabilidade das aplicações. Além da taxa de administração, alguns bancos e corretoras também cobram taxa de carregamento, reduzindo, ainda mais, a renda do beneficiário. “É importante pesquisar a melhor forma de investimento para que, no futuro, o contribuinte não retire um valor menor do que aplicou”, pontua.

O advogado tributarista explica, ainda, que existem duas opções de previdência complementar: o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), que permite o desconto de até 12% da renda anual bruta na declaração do Imposto de Renda (IR) e o Plano Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), em que o desconto é sobre o valor dos rendimentos, não havendo a possibilidade de abater no IR. “O PGBL é a opção mais indicada para quem faz a declaração do IR no modelo completo e o VGBL, para a declaração simplificada”.

Segundo o especialista em Direito Tributário, a previdência complementar é facultativa, enquanto a previdência pública é obrigatória a todas as pessoas que exercem atividades remuneradas no Brasil. “Os trabalhadores autônomos podem escolher em qual sistema contribuir, entretanto, se optarem somente pelo plano complementar, perderão o benefício da aposentadoria pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social)”, elucida Dr. Rodrigo.    

12ª etapa da “Operação Dignidade” encaminha

12 pessoas para rede socioassistencial de Sorocaba Ação aconteceu na última quinta-feira (2/8) e contou com o apoio do SOS...

Leia Mais

The Beauty Box reinaugura loja no Shopping Iguatemi Esplanada

  Espaço reflete reposicionamento da marca, com um portfólio ainda mais completo e sofisticado, além de...

Leia Mais

Bolão entre funcionários retorna com início da Copa do Mundo 2018

Especialistas em Direito Trabalhista orientam sobre a prática da aposta nos locais de trabalho. Com o início da Copa do Mundo...

Leia Mais